1) Você se considera liberto das drogas? Rafael: Sim, estou liberto. 2) E a que você atribui essa libertação? Rafael: Ao Senhor Jesus, sem dúvida nenhuma. Começou a partir do instante em que eu quis me tratar. Foi a primeira porta que se abriu para que eu conhecesse a Palavra. 3) Hoje, como crente, o que você pensa de quem consome drogas? Rafael: Às vezes, tenho sensações terríveis, principalmente quando passo próximo ao lugares em que eu buscava drogas. Eu começo refletir e dizer ao Senho: "Como eu pude viver daquele jeito? Como eu vivia num lugar desses? Eu vejo toda essa gente aí, se drogando, se matando... Fico pensando como deve estar o nível de vida espiritual e emocional delas. Hoje eu não aceito isso na minha vida, eu tenho repugnância. Um medo misturado com nojo... 4) Você já tinha sido evangelizado? Rafael: Não Eu ainda não tinha noção do Evangelho. Mas vejo só, sentia dentro de mim que Jesus Cristo seria o único que tinha poder para fazer qualquer coisa. 5) E o sucesso que um dia você teve, pretende reencontrá-lo no meio gospel? Rafael: Não isso é equívoco. Nunca quis alcançar sucesso. Eu gosto é de cantar. Sempre gostei e agora a diferança é que entendi porque Deus me fez assim. 6) Você acha que a liderança evangélica está preparada para enfrentar o problema das drogas, inclusive dentro das igrejas? Rafael: Alguns sim, outros não. Geralmente, irmãos que já tiveram experiências com drogas estão melhor preparados. Eles sabem entender os buracos na alma que fazem o indivíduo achar que vai encontrar solução nos tóxicos. Mas de maneira geral, as pessoas ma igreja são mais conhecedoras, porque têm uma visão diferente dos outros lugares. Mas quero ressaltar que o mais importante para a recuperação de um drogado é ele querer sair dessa. Isso é fundamental. 7) Como a sua família reagiu à sua proximidade com os evangélicos? Rafael: Minha mãe e minha avó, com quem moro, estão reagindo bem à minha conversão. Meu pai também aceitou bem. Tenho levado as duas para a igreja comigo. Para toda mãe, conviver com um filho dependente de drogas é muito doloroso. Mas agora elas tem observado minha real mudança e o quanto o Evangelho e a igreja tem sido fundamentais no meu processo de libertação das drogas. Elas tem me visto tranquilo, sem aquela busca desenfreada pelas coisas que eu tinha antes. Minha mãe e minha avó perceberam que meu encontro com o Senhor Jesus foi real e estão gostando de ir na igreja comigo. 8) Como você se mantém hoje? Rafael: Eu tenho umas economias guardadas. 9) Você está vinculado a alguma igreja? Rafael: Sim, estou indo na Assembléia de Deus do Bom Retiro, aqui em São Paulo. 10) Com que pessoas você tem se envolvido? Rafael: Com as melhores pessoas com minha amiga Mara Maravilha sua mãe Marileide Felix que estão me dando uma força para o lançamento do meu CD que saiu pela Gravadora Maravilha Music com titulo "EU NÃO SABIA". Fonte: Revista Eclésia - edição 74 Fevereiro 2002