Com apenas 28 anos de idade, Hebert Mota já viajou quase todo o Brasil e muitos países pelo mundo, carrega um currículo de gente grande, assessor pessoal de Netinho de Paula, conhecido por ser perfeccionista, e até polemico em seus discursos, Netinho de Paula, Kirk Franklin, B Unit Festival, Robson Nascimento, banda Resgate, Reginaldo Rossi são alguns de seus grandes trabalhos no show business. GMC: Olá Hebert, há algum tempo já observamos sua ausência do mercado. O que motivou sua volta e como encara o mercado hoje? Bem estive ausente, pois preferi passar um tempo nos Estados Unidos, voltei para o Brasil por convite do empresário Netinho de Paula, de quem sou assessor pessoal hoje, por este motivo foi que realmente eu voltei, não para o mercado evangélico. GMC: Sabemos que durante esse tempo que esteve ausente do mercado, você esteve viajando pelo mundo. Pode nos dizer o que mudou e agregou para sua carreira? Muita coisa, Angola, Joanesburgo, Moçambique e Cabo Verde na África, na Europa foram Portugal, Suíça, França e Itália, mas onde permaneci por mais tempo foi nos Estados Unidos lugar que com certeza foi muito importante pra minha carreira, fui a shows, gravações de programas de TV, além é claro, de muitas igrejas. GMC: Após dirigir grandes projetos como traduziria esse momento da sua carreira? Em trabalho. Primeiro tem que ter a humildade de reconhecer que mesmo dirigindo grandes projetos ainda tenho muito que aprender, segundo que na verdade não existe momento, não quero ser lembrado como o “cara que trouxe o Kirk Franklin pro Brasil” por exemplo, todo final de semana eu produzo um evento ou show pelo Brasil ou mundo, quer dizer projeto para um produtor não existe o grande ou pequeno, e sim trabalho de excelência. GMC: Dirigir a gravação de um DVD, é sempre um novo desafio, levando em conta as grandes produções existentes hoje no mercado fonográfico mundial, Como encara então esse momento, onde você acabou de dirigir o DVD de 10 anos do APC 16, sabendo que tem em suas mãos o melhor momento desse artista? Investimento financeiro é o ponto, com dinheiro fica fácil; não é nosso caso.Tive a honra de ser um dos convidados pessoais do U2, andei pelo palco, pelo Back-stage, e até conversei com o Road Manager do U2 que é quem realmente eu conheço da equipe deles... Pra se ter uma idéia, só da equipe deles são 150 gringos, sem contar equipe local, é obvio que precisa de muita grana para poder se ter um show como o do U2, e não vou longe o próprio KLB grupo pop em qual o pregador Luo fez uma participação no CD e a música está entre as mais tocadas do Brasil, um show deles é mais caro do que temos como valor financeiro de investimento para este DVD do APC 16, mas é aí que mora o verdadeiro sucesso profissional, fazer com o pouco que temos o melhor que podemos e adquirir respeito à altura dos grandes. GMC: Como surgiu o convite para dirigir o DVD do APOCALIPSE 16 – 10 anos? Bem vou revelar... O Luo me ligou e ficou por duas horas me convencendo, pensei e aceitei, acredito que ele não fez isto por amizade, pois não somos íntimos, ele deve ter visto em meu trabalho potencial para cuidar de um projeto tão maravilhoso e de grande importância para ele. GMC: Hebert, o que você acha que falta para o mercado Gospel atingir um nível satisfatório e padronizado na produção e execução de shows? Muita coisa, primeiro é preciso trabalhar com as pessoas certas, não adianta em ter um barco maravilhoso e ter comandantes ruins, até posso ter um barco ruim, mas o comandante tem que ser muito bom. É o caso de maus produtores, enquanto não existir bons no mercado o mercado ainda terá um padrão insatisfatório. GMC: O que você acha que poderia ser feito para melhorar? Primeiro entender que cada um tem seu lugar, muita briga de ego e artista querendo ser empresário e produtor só atrapalha, precisamos de iniciativas diretas, a exemplo do Festival Gospel Music Caféque vocês estão produzindo, precisamos de novidades, de trabalho competente e bem pensado, GMC: Se nos permite, gostaríamos que nos falasse um pouco da sua trajetória até aqui e as pessoas que lhe influenciaram para se tornar hoje um dos grandes nomes na área de produção artística do País? Ainda não sou um grande nome no país, mas vou ser sim, trabalho para isto, minhas influências são: Banda Kadoshi onde comecei, Wolf Maia, Legey e Roberto Talma, (Diretores da Rede Globo), Max Seigel da Zomba Records, Jeff Atlas da MTV USA, Nizam Guanaes da Agencia Africa, Netinho de Paula (mentor e amigo), meus pais; é claro e o Apóstolo Paulo, que fez a historia do evangelho através de luta e dedicação. GMC: Você é assessor pessoal de um artista e empresário o Netinho de Paula, como é trabalhar com ele? É ótimo nosso relacionamento. Comecei a trabalhar com ele ainda no Negritude Jr. em 1996, depois como produtor e hoje como seu assessor; além de sermos amigos, o tenho como um exemplo, ele é um vencedor, empreendedor, um empresário de sucesso e o primeiro negro dono de um canal de televisão no Brasil, não tenho duvidas de que estar ao lado de uma pessoa importante como ele só pode ser um presente de Deus pra mim, claro que não caiu do céu, faço meu trabalho com êxito e profissionalismo, e acredito ser este o motivo de chegar aonde cheguei. GMC: Você sendo assessor de uma pessoa como o Netinho de Paula, não sobra tempo para produzir ou dirigir seus projetos paralelos? Não, tempo não sobra muito não, para você ter uma idéia lançamos desde de Novembro de 2005 o primeiro canal de televisão com foco na diversidade étnica, www.tvdagente.com.br, por conta disto mal paro no Brasil, além das reuniões diárias. Só nos últimos seis meses, foram França, Itália, Estados Unidos, Suíça, Angola, Cabo Verde e Portugal e estou pela terceira vez voltando dos Estados Unidos neste período onde inclusive participei do Press Awards 2006, e onde acabo de lançar a Tv da Gente para Canadá, México e Estados Unidos. GMC: “Acabo de lançar”, você também trabalha para a Tv da Gente? Não diretamente mais venho negociando com a RBTI -US por seis meses e acabei de fechar o contrato de exibição nestes paises para a TV da Gente, assessor também é um homem de negócios (sorri). GMC: Você apresenta um programa na TV não é? Sim, mas não é meu foco sou do tipo “behind the scene”, não gosto de aparecer, inclusive gostaria muito e já indiquei o Robson Nascimento para apresentar o Da Gente Gospel. GMC: Por ser um produtor novo, gostaríamos que nos dissesse qual o segredo para construir uma carreira que aspira êxito e que se consolida em maturidade na execução de cada projeto? Faça a coisa que você mais ama do jeito certo, dedique tempo, não importa o preço a ser pago, para crescer é necessário primeiro caminhar, vale a pena acreditar nos sonhos, caminhando passo a passo e com muito trabalho, é claro.